Entre Pits #30 – Júlio Campos

28 de julho de 2020

j

Francisco Brasil

Quando vemos um piloto de ponta no automobilismo, sempre pensamos no “glamour” da profissão, na grande quantia de dinheiro envolvida. Mas assim como nós, esses guerreiros das pistas tem suas estórias de luta e superação.

Esse é o caso do grande piloto Julio Campos, que hoje compete na Stock Car e Endurance Brasil, que nos conta abaixo sobre sua carreira no “Entre Pits”.

Divulgação

Família

Planeta Velocidade – A relação da sua família com o automobilismo sempre foi muito grande. Quando você sentiu a vontade de ingressar no esporte a motor? Seu irmão também foi piloto. Como ele influenciou no início da sua carreira?

Julio Campos – Comecei no automobilismo com nove anos de idade, sempre assistindo meu irmão correr. Ele começou com 12 anos. Eu tinha seis anos, quando o Marco começou a andar de kart. Desde muito novo eu passei a ir ao kartódromo para assistir as corridas dele. Então, a influência foi 100% do meu irmão para iniciar no automobilismo. Minha família sempre nos apoiou em tudo. Meu pai e minha mãe até hoje são os mais incentivadores. Vão em todas as corridas! Estão sempre comigo!

Julio Campos vence segundo treino livre da Stock (Foto: Fernanda Freixosa)

PV – E a perda do Marco, qual o impacto que teve na sua carreira? Você chegou a pensar em parar?

JC – O Marco estava na porta da F1 e, realmente, esperávamos ver ele na F1, ganhando campeonatos, mas acaba que o sonho em um segundo se foi e a família inteira acabou perdendo muito mais que um piloto. Eu perdi um irmão. Meus pais o filho. Foi uma situação muito pesada. Na hora, você realmente precisa pensar o que vai fazer, se seguirá a carreira, mas eu rapidamente, isso em algumas horas, já sabia que eu não deixaria de correr. Quando meus pais chegaram da França, eu avisei eles que eu faria a corrida no final de semana. Eu fui fazer a corrida e tive que seguir, pois meu medo é que se eu parasse eles não me deixassem voltar, e mais uma vez meu pai deu todo o apoio, inclusive foi nessa corrida comigo.

Marco Campos – Divulgação
Julio e a homenagem (Vanderley Soares/MS2)

Carreira Internacional

PV – Você chegou a tentar uma carreira internacional? Ainda tem vontade ou plano de correr fora do país?

JC – Minha carreira internacional foi muito curta na parte de carro, por falta de patrocínio. Fui campeão no meu primeiro ano de Skipe Barber, em cima do A.J. Allmendinger, que é um piloto super renomado nos Estados Unidos, mas no ano seguinte o patrocínio acabou no meio da temporada. Tínhamos feito pole, ganho corrida… foi triste ter que voltar pro Brasil, pois tínhamos boas chances de fazer uma carreira muito legal lá fora, mas automobilismo sem patrocínio e sem verba não existe. Tenho vontade sim de fazer algumas corridas internacionais, de longa duração, algum campeonato de GT3, carros de turismo, mas hoje a realidade do mundo é outra. Temos que pensar em retomar aqui no Brasil, que é o maior objetivo, depois pensamos em correr lá fora.

PV – Quais categorias você acompanha? Qual delas você gostaria de ter uma oportunidade?

JC – A categoria que eu mais acompanho é a F1 e as tradicionais corridas de longa duração. Mas corridas que eu faço aqui no Brasil, já ocupam bastante a nossa cabeça. Hoje eu corro de Stock Car, que é a maior categoria do Brasil, e no Império Endurance Brasil, que é uma categoria que vem crescendo muito. Então, a prioridade é assistir a F1 e focar nos campeonatos que estamos fazendo.

Foto Vanderley Soares

Cenário Atual

PV – Como você vê a atual situação do automobilismo no país, por conta da pandemia? A Stock volta esse ano?

JC – A situação do país é crítica em todos os setores e isso não tem como negar. O automobilismo também vem sofrendo e não é pouco. Todas as equipes estão sofrendo muito, patrocinadores com dificuldade de continuar. Sabemos que será um ano muito complicado. A expectativa é que nos próximos 15, 20 dias possamos voltar a correr em todas as categorias. É crítico, temos que nos esforçar para que as categorias continuem saudáveis.

Divulgação

PV – Como tem sido sua rotina de preparação? Já retomou o trabalho junto a equipe? Já teve contato com o novo carro da Stock?

JC – O ano está sendo de muita preparação física, pois o ano é atípico. Treinamento de kart, um treino com a Stock Car, mas muito pouca coisa perto da nossa programação normal. Tenho um novo patrocínio Lubrax e farei minha estreia pela equipe Crown Racing, então a ansiedade fica ainda maior, já que é um ano de novidades.  

Rodrigo Guimarães/MS2

PV – Gostaria de deixar uma mensagem para os nossos leitores?

JC – Um abraço para todos os leitores! Que logo a gente consiga acelerar e levar emoção a todos aqueles que gostam do automobilismo. Conto com a torcida de vocês para que isso aconteça!

Foto destaque Duda Bairros/Vicar

Francisco Brasil

Francisco Brasil

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais