NASCAR Cup Series – Chase Elliott vence batalha alucinante no Roval de Charlotte. Kyle Busch é eliminado.

13 de outubro de 2020

j

Alex Leonello Teixeira

É chegada mais uma hora da verdade na fase dos playoffs da NASCAR Cup Series, a principal categoria do automobilismo norte americano.

Revisão Francisco Brasil
Imagem destaque Sean Gardner | Getty Images

Jared C. Tilton | Getty Images

Isto porque, após o fim desta etapa, a 32° da temporada, mais 4 pilotos darão adeus para as suas chances de conquistar o título de 2020.

Para marcar o fim do round of 12 e definir o round of 8, no dia 11/10, tivemos uma prova diferente, onde carros e pilotos tinham que fazer curvas para os dois lados no Roval de Charlotte, com 2,2 milhas de extensão e que situa no estado da Carolina do Norte.

Fora do habitat natural da NASCAR, e também de seus pilotos, a conquista da classificação se tornava ainda mais difícil a vida dos aspirantes ao título.

Com o grid definido pela novas regras da NASCAR e sem treinos, a posição de honra no grid de largada ficou por conta de Denny Hamlin.

Com a chuva forte que se fez presente na prova da Xfinity Series, realizada no dia anterior, novas luzes artificiais foram instaladas no circuito.

A chuva caía na pista e, ao contrário do que estamos acostumados, por se tratar de um traçado misto, a prova não teve seu início postergado.

Estágio 1 – 25 voltas

Logo após a bandeira verde ser agitada, dando início a primeira das 109 voltas programadas, quem veio para frente foi Brad Keselowski, porém, na volta 8, Chase Elliott ultrapassa Keselowski e se torna o novo ponteiro.

Quem aparece muito bem no top 3 na volta 9 é Clint Bowyer, que durante a semana havia anunciado a sua aposentadoria no final do ano.

Jared C. Tilton | Getty Images

A bandeira amarela de competição aconteceu na volta 11 e alguns pilotos aproveitaram a oportunidade para buscar os boxes para ajustes, reabastecimento e troca de pneus.

A ação é retomada na volta 13 e quem assume a liderança na relargada é Martin Truex Jr, seguido de perto por Bowyer. Já na volta 14 Bowyer consegue a ultrapassagem sobre Truex e assume a ponta.

Com a melhora nas condições de pista, vários pilotos optaram por buscar os boxes e colocar pneus Slicks nos carros.

Ty Dillon, que partiu do 17° posto, já vinha com pneus lisos escalando o pelotão e, na volta 21 supera Bowyer para se tornar líder.

Mas nem todos conseguem segurar os carros com pneus lisos, e pilotos como Ryan Newman, Denny Hamlin e John Hunter Nemechek rodam na pista, sendo que, este último provoca uma bandeira amarela na volta 23.

Alguns pilotos buscam os boxes e a relargada se deu no giro 25. Apenas 1 volta depois, Ty Dillon cruza na frente a linha de chegada para vencer o primeiro segmento da prova.

Estágio 2 – 25 voltas

Jared C. Tilton | Getty Images

Depois de um início de prova alucinante e bastante disputado, o pano verde se fez presente novamente na volta 29, com Christopher Bell como líder, mas é superado por William Byron já no giro seguinte. Outras rodadas voltam a acontecer na pista com Keselowski, Bell e Newman.

Blaney se aproxima rapidamente e conclui a ultrapassagem sobre Byron na volta 40 para se tornar o 8° líder diferente.

Vários pilotos vão para os boxes sob bandeira verde por questões de estratégia, mas JJ Yeley roda e fica parado na pista, trazendo nova intervenção na volta 46.

A relargada aconteceu na volta 49 e os toques entre os pilotos – Clint Bowyer, diga-se – furam o pneu dianteiro esquerdo de Kyle Busch, prejudicando sua prova. Hamlin roda novamente e vai para o muro, mas sem gerar bandeira amarela.

Blaney consegue sustentar sua posição e, na volta 50, recebe a bandeira quadriculada verde e branca que lhe dava a vitória do segundo estágio da competição.

Estágio Final – 59 voltas

Sean Gardner | Getty Images

Christopher Bell era o líder quando a relargada aconteceu, na volta 54, mas logo é superado por Byron.

Elliott volta aos boxes por conta de uma porca solta em seu carro, enquanto Ty Dillon, Cole Custer e Denny Hamlin (de novo) rodam na pista.

Uma escapada de pista por parte de Ty Dillon, no giro 65, provoca a neutralização da prova e, com isso, vários pilotos buscam os boxes.

A prova é retomada no giro 68, mas, apenas 2 voltas depois, um toque de Kyle Busch sobre Austin Dillon leva o piloto do carro 3 ao muro e a direção de prova a acionar novamente a bandeira amarela.

Diversos pilotos buscaram os pits e a ação foi retomada na volta 72, com Ryan Blaney como ponteiro. Mas o piloto do carro 12 sai da pista e roda, deixando a liderança da prova nas mãos de seu xará, Ryan Preece.

Na volta 82, Alex Bowman ultrapassa Preece e se torna o ponteiro, mas é superado por Chase Elliott, seu companheiro de equipe, no giro 84.

A bandeira amarela é acionada novamente na volta 86, em função do acidente de Matt Kenseth e de detritos na pista e os boxes voltam a ser procurados pelos pilotos.

Kyle Bush fica na pista e relarga como líder na volta 90, mas é superado por Erik Jones, seu companheiro de equipe, no giro seguinte. Só que Elliott estava impossível e ultrapassa lindamente Jones para ser o ponteiro na volta 92.

Chase Elliott, no victory lane. Jared C. Tilton | Getty Images

Brennan Poole fica parado na pista na volta 98 e a neutralização da prova se faz novamente necessária.

Com tudo ainda indeciso, a ação foi retomada na volta 100.

Truex e Kurt busch ainda se tocam na chicane a 2 giros do final da prova, provocando a rodada e a perda de posições por parte do piloto do carro 19.

Sem ser superado e demonstrando uma grande supremacia em circuitos mistos, Chase Elliott foi o primeiro a atingir a linha de meta, para vencer a etapa de Charlotte válida pelos playoffs.

Na segunda colocação recebeu a bandeira quadriculada Joey Logano e, em terceiro, fechando o top 3, completou a prova Erik Jones, da equipe de Joe Gibbs, ainda sem cockpit para o ano de 2021

Em entrevista dada após o final da prova, Elliott declarou que:

Kyle Busch, eliminado. Torey Fox | NASCAR Digital Media

“Acabei de ter outro carro realmente rápido e realmente aprecio o esforço. Os circuitos mistos têm sido muito bons para nós nas últimas provas, mas sinto que apenas tentamos ficar um pouco melhores a cada vez, ajustando as pequenas coisas. Sinto que mexi em pequenas coisas e fiquei um pouco melhor do que aqui no ano passado, o que foi bom. Estou muito orgulhoso do esforço”.

O bicampeão Kyle Busch, eliminado dos playoffs e da disputa pelo título da temporada afirmou em entrevista que:

“Acabou o ano, nada aconteceu ou esteve do nosso lado, apenas circunstâncias infelizes e muito azar”, disse Busch, piloto do No. 18 Joe Gibbs Racing Toyota.

“Esses caras dessa equipe nunca desistem e lutam o ano todo, em cada corrida, em cada volta, em cada pit stop, como podemos ver. Mas cara, este é apenas um daqueles anos ruins, um ano terrível para mim. Mas, como diriam outros grandes do esporte, há muitos outros pilotos que adorariam ter o ano que estamos tendo”.

Com este resultado, o round of 8 dos playoffs restou definido da seguinte forma:

01 – Kevin Harvick – 4.067 pontos;
02 – Denny Hamlin – 4.054 pontos;
03 – Brad Keselowski – 4.035 pontos;
04 – Chase Elliott – 4.027 pontos;
05 – Joey Logano – 4.022 pontos;
06 – Martin Truex Jr. – 4.017 pontos;
07 – Alex Bowman  – 4.009 pontos;
08 – Kurt Busch – 4.006 pontos.

Restaram eliminados da disputa pelo título: Kyle Busch, Clint Bowyer, Austin Dillon e Aric Almirola.

Opinião Alex Leonello

Se um circuito misto Já é sinônimo de atração e competição extrema na NASCAR, a realização desta prova sob chuva chega a ser insana.

A prova disso se deu já no início da prova, quando Ty Dillon faturou o segmento 1, Timmy Hill chegou na quinta colocação e Joey Logano foi o único piloto finalista a marcar pontos.

Ou seja, um piloto de categoria “inferior” tirou pontos das feras da Cup Series.

Não se pode negar que esta prova tão decisiva foi muito competitiva e interessante, na qual era absolutamente impossível cogitar antecipadamente o nome só vencedor.

Aconteceu de tudo.

Várias ultrapassagens, trocas de liderança, divididas na pista, toques, rodadas, escapadas, pista molhada, intermediária e seca.

Tivemos a liderança de Ryan Preece e a eliminação dos playoffs do atual campeão da categoria, Kyle Busch, ainda sem vitórias em 2020.

Em que pese ter dado adeus a disputa pelo título, devemos reconhecer que Kyle teve uma grande atuação na prova, assim como William Byron, Clint Bowyer e Ryan Blaney.

Etapa digna dos amantes do verdadeiro automobilismo raiz e que se apresenta em sua forma mais pura ao seu público.

O round 8 já se inicia no próximo fim de semana e a vitória de um finalista já o classifica imediatamente para a grande final em Phoenix.

O circo vai pegar fogo!

Opinião Francisco Brasil

Uma pena a chuva não ter voltado nos instantes finais da prova. A corrida da Xfinity no dia anterior foi mais “emocionante” para os espectadores.

Mesmo assim, a vitória de Elliott (que era esperada em condições “normais”) foi mais valorizada, uma vez que o piloto do #9 soube ter a paciência e velocidade necessárias.

Outro que merece comentário positivo é Joey Logano. O piloto da Penske (que está longe de ser destaque em circuito misto) precisava de pontos e teve a calma para conquistá-los. Seu segundo lugar mostra uma evolução.

Por outro lado, que prova pífia de Denny Hamlin e Kevin Harvick. Os grandes nomes da temporada simplesmente sumiram, e quando apareceram ou era no pit, ou era rodando. Benditos pontos acumulados.

E Kyle Busch tentou, mas não deu. A falta de vitórias (e consequentemente pontos bônus) foram refletidas nessa prova. Ele ainda foi ousado em não parar, era tudo ou nada. E deu em nada, tanto que no finalzinho foi obrigado a parar e fechou em 30°.

Agora a imagem de Clint Bowyer ao sair do carro mostra o que é lutar numa pista. Exaurido, sentado ao lado do carro, o veterano e futuro comentarista mostrou o que é dar tudo pelo esporte. Parabéns!

A próxima etapa da NASCAR Cup Series acontecerá no dia 18/10, no oval de 1,5 milha do Kansas, que se situa no estado americano que lhe empresta o nome.

Até lá!

Alex Leonello Teixeira

Alex Leonello Teixeira

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais