Entre Pits especial de Ano Novo: Priscilla Rubino

29 de dezembro de 2020

j

Editores Planeta Velocidade

Nosso Entre Pits especial de Ano novo não podia ser mais especial, mais uma vez mostrando o lado feminino no automobilismo.

Entrevistamos a Bombeira Priscilla Rubino, que é a única mulher a integrar o grupo de socorristas de Interlagos.

Planeta Velocidade: Quem é a Priscilla Rubino?

Priscilla Rubino: A mulher, a mãe, a esposa, e a bombeira.

PV: O que levou você a ser resgatista no automobilismo?

PR: Desde quando me formei bombeiro civil estou dentro do autódromo, comecei sendo bombeiro de box mas observava o resgate de pista até que falei que queria uma oportunidade e tive! Passei por treinamentos, por preconceitos, por um turbilhão de coisas. Mas sou completamente apaixonada pelo o que faço.

PV: Existe algum preconceito, já que é uma profissão que a predominância é masculina?

PR: Sim, sempre tem! Mas hoje estou mais aceita no meio. 

PV: Qual a maior dificuldade em um resgate?

PR: Pra mim a vontade de fazer xixi e não poder fazer pelos cantos do autódromo como os homens fazem. (risos)

PV: Já passou por alguma situação em que você quase acabou tendo que ser resgatada? 

PR: Graças a Deus não! E pretendo nunca precisar.

PV: Qual resgate que teve maior grau de dificuldade?

PR: Meu primeiro trabalho no resgate foi na Superbike e tive sim uma grande dificuldade no geral. Mas treinei, treinei, treinei e calei a boca daqueles que me rebaixaram naquele dia.

PV: Qual foi o momento mais tenso que já passou por um resgate?

PR: Vou confessar, todos os momentos são tensos e de alta adrenalina. Pois temos de pensar na nossa segurança e na segurança de quem estamos resgatando. Quando somos chamados para um resgate eu pré determino tudo que irei fazer antes de ser autorizada a entrar na pista para que tudo saia perfeito. Então a tensão vira adrenalina que vira um sentimento que amo sentir.

PV: Infelizmente já teve o caso de “perder” um paciente?

PR: Não!

PV: Neste período de pandemia, quais foram os maiores medos de fazer parte desta profissão?

PR: Trouxe o medo da única certeza existente que são as limitações, às vezes incontrolável mas preciso.

PV: Qual foi a situação que você enfrentou em um resgate de pista que mais lhe marcou?

PR: Todos os dias que estou no resgate são marcantes, memoráveis e únicos.

PV: O que você poderia dizer para quem quer ingressar na profissão, quais caminhos, dificuldades?

PR: Sonhe sonhos dos quais você possa realizar a curto prazo, sonhe e realize, não deixe pro mês que vem, ano que vem, ou coisa parecida. Vá, faça e seja FODA! #fuiassim #souassim

PV: Para finalizar, como é para você, sendo Mãe e Esposa, passar diversos finais de semana longe da família?

PR: Desde quando escolhi essa profissão o meu maior incentivador foi um amigo bombeiro militar que me falou as seguintes palavras: “Pri, ser bombeiro não é para qualquer um, seu maior desafio é ter amor pela profissão e depois  ter  forças para poder administrar a ausência: da família, dos finais de semana, dos amigos, das comemorações, de uma vida social, de um nascimento, de uma perda, é isso que você quer?”

Algumas imagens do seu trabalho

Editores Planeta Velocidade

Editores Planeta Velocidade

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais