Escute a rádio Planeta Velocidade!

FÓRMULA 1: O BALANÇO DE FORÇAS DA TEMPORADA 2021

10 de março de 2021

j

Marcio de Luca

Não tivemos mudanças de regulamento para esta temporada da Fórmula 1 que está prestes a se iniciar, porém isto não quer dizer que 2021 será mais do mesmo, pelo contrário, este segundo ano de pandemia mundial do coronavírus parece que será bem adverso se comparado a 2020. 

Neste ano temos algumas mudanças significativas nos times, que mesmo sendo resumidas a poucos times, para estes, são grandes mudanças. 

Então, para facilitar a leitura, vamos descartando os times que pouco ou nada mudaram, neste caso a Mercedes, Williams e a Alfa Romeo que se mantém como na temporada passada, sem mudança de motores e de pilotos e sendo assim, vem para o campeonato com as poucas modificações que o regulamento permite para este ano. 

Em todos os demais times as coisas mudaram, porém em alguns não de forma tão abrupta, como é o caso da Alpha Tauri que neste ano terá apenas o francês Pierre Gasly da dupla de 2020, trazendo a jovem promessa japonesa Yuki Tsunoda (fiquem de olho nesse garoto!) para o grid, que pode ser uma boa química para o time, que já tem Gasly com grande maturidade, sendo o provável homem do timão da equipe, enquanto o japonês vai se desenvolvendo. 

A Ferrari também é outra equipe que mudou apenas um dos seus pilotos, onde o espanhol Carlos Sainz entra na esquadra vermelha para fazer dupla com Charles Leclerc, que em 2020 tirou leite de pedra do SF20, um carro mal nascido, com motor fraco e que relegou o time ao sexto lugar no mundial de construtores. 

Competência não falta a dupla, que unido ao novo motor que o time trabalhou neste inverno, pode ser o começo da luz no final do túnel que a equipe tanto precisa, mas, só trará os resultados que pode fazer a virada de mesa iniciar, se o time não escolher por privilegiar apenas um dos pilotos, como estamos acostumados a ver acontecer na Ferrari. 

A Haas mudou por completo sua dupla de pilotos com a entrada dos jovens Nikita Mazepin e Mick Schumacher, porém ao que tudo indica, o foco do time este ano é se manter vivo no grid, para em 2022 tentar algo mais vistoso, uma vez que a equipe não trabalhará duramente no carro desta temporada, já que o orçamento da equipe não é dos maiores e a contenção de gastos se faz necessária, focando recursos no carro de 2022. 

Não devemos esperar muito de ambos pilotos, primeiro porque estão estreando na categoria e segundo porque o carro não permitirá grandes feitos, ainda que a sorte seja um elemento que não pode ser descartado. 

AS GRANDES MUDANÇAS 

Os quatro times que sobraram, Alpine, Aston Martin, McLaren e Red Bull Racing foram os que tiveram mudanças mais significativas, onde é bem provável que do balaio onde estas se encontram, saia as maiores surpresas. 

A Alpine chega com um novo nome, já que a equipe é a Renault pintada de azul. Claro que houve uma grande mudança nos bastidores, na diretoria e gestão da equipe, mas a maior delas é a que atende pelo nome de Fernando Alonso, que retorna ao time e à categoria e pode trazer os resultados tão sonhados e buscados pela equipe, que vem de um 2020 com pódios, algo inédito no retorno da marca a F1 e está com os ânimos renovados e confiante. 

Alonso pode ser um grande diferencial e mesmo que não leve o time a cabeça da tabela de pontos, não duvido que ele será um dos grandes responsáveis pelo forte agito que vai acontecer no meio do pelotão – a seu favor conta a experiência e sobretudo, a vontade de colocar mais uma taça de campeão na sua prateleira. 

Outro novo nome no grid é a Aston Martin, que tal como a Alpine trata-se de novas cores e um rebatizar do nome da equipe, porém aqui a coisa acaba por ser mais profunda, uma vez temos o dedo de Lawrence Stroll, um homem de sucesso nos negócios e que quer dar ao time e à marca de carros homônima o estrelado que já obteve em seus demais empreendimentos. 

O time contará com Sebastian Vettel ao volante de um dos seus carros e sendo tratado como estrela da equipe, pode fazer o seu ímpeto de tetracampeão falar mais alto e vingar os maus anos que teve no time de Maranello, sendo uma grande surpresa na temporada. 

Outro time que passou por grandes mudanças é a McLaren, que neste ano voltará com uma parceria vencedora que teve com a Mercedes no passado e vem de um 2020 muito forte, quando terminou em terceiro no mundial de construtores. 

Um dos seus cockpits também virá com novidade: o experiente e já vencedor Daniel Ricciardo entra na equipe e fará dupla com a jovem promessa, porém muito madura, Lando Morris, sendo esta uma dupla que pode funcionar muito bem para o time manter-se na posição que terminou no ano passado e ampliar o volume de pontos. 

Ricciardo quer ser campeão e sua competência o habilita a este feito, onde se a McLaren tiver acertado a mão nos ajustes do seu chassis, com o melhor motor do grid em seus carros, tudo pode ser possível. 

Por fim temos a Red Bull Racing que também traz novidade em um dos seus cockpits e trata-se de Sergio Perez, que ao lado de Max Verstappen, seguramente é a dupla mais forte do grid, já que ambos além de muito aguerridos, são grandes pontuadores. 

O Checo terá pela primeira vez um grande carro nas mãos, mas precisa se adaptar rapidamente ao modo de pilotagem do monoposto, que veste como uma luva Verstappen, mas que não tem sido o melhor carro do mundo para os seus companheiros. 

A favor do time austríaco há também a despedida da Honda da categoria, que fará tudo para selar o momento com os grandes resultados de outrora, onde os motores nipônicos acumularam vitórias e títulos. 

De um modo geral, Lewis Hamilton deverá ser novamente o homem a ser batido, onde Valtteri Bottas tende a ser o segundo piloto (por condição própria), mas que neste ano tem uma grande missão em suas mãos: ser um pontuador regular para manter a Mercedes a frente dos rivais, sobretudo a Red Bull, que com a dupla de pilotos que terá no grid este ano, poderá minar pontos importantes do time alemão e abocanhar o mundial de construtores através do trabalho coletivo realizado dentro das pistas. 

Diferente do início do ano de 2020, esta temporada tende a ser mais agitada, onde os dados jogados sobre a mesa tendem a repetir os resultados dos últimos anos, mas alguns jogadores podem trazer truques guardados na manga e isto não é algo que se duvide. 

Não mesmo!

Fotos Divulgação

Marcio de Luca

Marcio de Luca

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais