Na etapa de abertura Bottas vence, Hamilton é punido e Norris celebra pódio! A volta da Formula 1

5 de julho de 2020

j

Colaboradores Planeta Velocidade

Habemus genus! (Temos corrida!) 217 dias depois da largada para o GP de Abu Dabhi de 2019, enfim as luzes vermelhas se apagaram para a etapa de abertura do mundial 2020 de Fórmula 1 realizada na Áustria neste final de semana, que marca a temporada de número 70 da categoria. Correndo no Red Bull Ring em Spielberg, a categoria iniciou uma maratona de dois finais de semana seguidos com corridas neste mesmo circuito para, enfim, iniciar uma temporada que até então sofreu com cancelamentos e adiamentos, por conta da pandemia de COVID-19 causada pelo novo Coronavírus. 

Texto Renato Moraes
Facebook: https://www.facebook.com/luizrjm
Instagran: https://www.instagram.com/luizrjm/
Revisão Francisco Brasil
Foto destaque LAT Images

E não é só a pandemia que torna esta a temporada mais atípica que a Fórmula 1 tem enfrentado. As recentes manifestações contra o racismo e preconceito que ocorrem no mundo todo também apareceram acertadamente na Fórmula 1, com o uso de várias medidas entre a organização e equipes, como por exemplo os esquemas de cores utilizados em carros como McLaren em seu Halo e a Mercedes, que trocou seu tradicional prata pelo preto, além do uso massivo das hashtags #weraceasone e #endracism.

Pilotos se unem contra o racismo e preconceito. Retrato de uma nova era. Foto: Haas

Depois de uma classificação onde a supremacia da Mercedes ficou evidente e a queda de rendimento da Ferrari é nítida, o domingo já se iniciou com a informação da punição dada a Lewis Hamilton que, durante a última tentativa de volta rápida Q3 (treino de classificação), não reduziu sua velocidade durante uma bandeira amarela causada pela escapada de Valtteri Bottas entre as curvas 3 e 4. Com isso sofreu a perda de 3 posições no grid de largada como punição.

Foi dada a largada!

Luzes verdes para as 71 voltas do GP da Áustria! Podemos observar que os pilotos não tiveram problemas ou incidentes na primeira volta e o que vimos foi uma McLaren em ótima forma com o #4 de Lando Norris atacando o #33 de Verstappen. Também vimos o #44 de Hamilton atacando o #23 de Albon, com este resistindo muito bem aos ataques do hexacampeão. Enquanto isso, a supremacia do carro da Mercedes já era evidente quando a tabela de tempos já mostrava o #77 dois segundos a frente. 

Largada do GP da Áustria 2020. Foto: Motorsport Images

A partir da volta 6 se iniciou uma disputa entre aqueles que são os dois melhores carros do ano. A disputa entre o #23 e o #44 foi intensa por 4 voltas, mas a força do W11 em conjunto do DRS facilitou a vida do campeão que não teve muitos problemas para ultrapassar Albon. No pelotão intermediário o que víamos era uma disputa entre os carros da McLaren e Racing Point, com ambos os carros da equipe laranja a frente dos rosáceos.

No inicio da volta 11 a TV mostra uma RBR lenta: Era o #33 de Verstappen que começou a reclamar via rádio que não conseguia realizar mudanças de marchas e, aquele que seria uma atração na corrida, abandonou muito irritado com o problema. A Red Bull que chegou envolta em expectativas para fazer frente a Mercedes via-se agora somente com seu piloto Albon porém já a 4 segundos atrás de Hamilton que nesse momento estava a 7 segundos de Bottas.

Problemas na RBR de Verstappen: abandono do holandês na Áustria. Foto: reprodução app F1

Na volta 18 a TV mostra o carro #3 de Daniel Ricciardo lento para abandonar por problemas mecânicos, enquanto ao mesmo tempo vimos o #19 de Lance Stroll diminuindo a velocidade até abandonar na volta 22. O problema no carro Renault foi superaquecimento, já no caso da Racing Point não foi revelada a causa do abandono. Nesse momento somente os carros equipados com motores Ferrari não estavam sofrendo com problemas mecânicos.

Enquanto isso acontece a rodada do #20 Grosjean que perdeu sua Haas na saída da curva 3, entrando rapidamente nos pits para troca dos pneus médios pelos duros para tentar ir até o final da corrida. Nesse momento, a tabela de tempos mostra Hamilton em grande forma tirando paulatinamente a diferença para o #77, já estando a 3 segundos atrás. 

Na volta 26, aquela que vinha sendo a melhor disputa no pelotão intermediário entre #8 Magnussen e #31 Ocon termina em uma rodada do #8 da Haas. Pela câmera onboard pode-se observar um possível problema com os freios e ficou claro que algo de errado ocorreu, pois o piloto nem ao menos tentou fazer a curva. Fim de corrida para o competidor e entrada do safety-car. 

Amarelas e reviravoltas

Nesse momento todas as equipes começam a chamar seus pilotos para os pits, com a protagonista Mercedes optando pelos duros para ir até o final da prova, com a Red Bull e também a McLaren seguindo o mesmo plano. Quem levou um susto foi #4 Norris no momento em que a Racing Point liberou Sergio Perez, que fora o único que optou pelos médios, de forma perigosa quase causando uma batida com a McLaren dentro dos pits. Nesse momento já temos 4 carros fora da disputa: Verstappen, Riccardo, Stroll e Magnussen.

Relargada e todos passam pela curva Niki Lauda (curva 1) sem problemas, mas na curva dois uma disputa entre Carlos Sainz e Sebastian Vettel causou a rodada do alemão que caiu nesse momento para o 15º lugar. Não é um bom final de semana para uma Ferrari que quase ganhou com Charles Leclerc em 2019. Falando nele, o piloto em 6º, atrás de Lando Norris. Hamilton já começa a pedir mais potência para a equipe para tentar uma ultrapassagem, porém recebe a informação que os dois carros já tiveram sua potência reduzida. Vai ter que ser no braço!

Toque entre Vettell e Sainz. Fim de semana ruim para o além. Foto: reprodução app F1

A partir da volta 35 começamos a ver uma interessante disputa entre o #4, o #16 e o #55 de Carlos Sainz. A McLaren mostra uma boa evolução em comparação a 2019, fazendo frente à outrora poderosa Ferrari. No pelotão intermediário vemos uma boa disputa entre # 26 Daniil Kvyat e o #31 de Esteban Ocon pelo 9º lugar.

A partir da volta 42 temos Hamilton praticamente a meio segundo de Bottas, fazendo volta rápida após volta rápida. Então a equipe informa que ambos os carros estão apresentando problemas com alguns sensores e pedem para os pilotos não serem tão agressivos com as zebras. Porém, vemos o #44 determinado a ultrapassar o #77, até que a transmissão mostra uma mensagem da equipe para os pilotos: “chassis default 2-1”. Podemos ter ouvido uma ordem para manter posições. Na volta 47 a transmissão traz um rádio da equipe pedindo para os pilotos tomarem cuidado com as zebras, pois estão identificando em ambos os carros problemas com as caixas de câmbio por conta da alta temperatura no circuito.

Problema estranho para Raikkonen na relargada

Volta 50 e vemos o carro #8 de Grosjean dando um passeio na grama. O francês da Haas andou mais pela área de escape do que no asfalto nessa corrida. Uma volta depois, o Williams #63 de George Russell sofre com falha no motor decretando o fim de corrida para ambos os pilotos. Pelo ponto em que ficou o carro da Williams, a direção libera novamente o carro de segurança e iniciamos então uma nova rodada de pits. Já ouviu falar em sorte de campeão? Então, uma Mercedes que estava sofrendo com aquecimento agora consegue esfriar os seus dois conjuntos com este safety-car. Enquanto isso vários pilotos trocam seus pneus por compostos médios para a continuidade da prova.

Relargada acompanhada de um espetacular pega entre Sergio Perez e Alexander Albon que é interrompido com a nova entrada do safety-car: a roda dianteira direita do #7 Alfa de Kimi Raikkonen se solta e passa muito perto do carro de Sebastian Vettel. Grande susto, porém sem danos aos pilotos. Raikkonen para seu carro junto ao pit-wall e abandona a corrida. Para a retirada do carro, a organização determina a passagem dos carros pelos pits.

Relargada na volta 61 e o #23 de Albon vai pra cima do #44, porém entre as curvas 3 e 4 o tailandês da Red Bull vai por fora e chega a colocar seu carro a frente da Mercedes, mas um toque de pneus com o inglês faz o carro #23 rodar, causando a investigação do incidente. Já é a segunda vez que ambos os pilotos se encontram em pista, sendo o primeiro caso o toque ocorrido no GP Brasil 2019.

Albon vai para o 13º lugar para tristeza geral da equipe. Enquanto isso, na volta 64, grande disputa entre Sérgio Perez, Lando Norris e Charles Leclerc. Na curva 3 Norris comete um pequeno erro que permite a ultrapassagem do ferrarista que segue em busca de Sergio Perez, onde o mexicano acaba ultrapassado na volta seguinte na curva dois. Em paralelo, a organização aplica uma punição a Hamilton de 5 segundos em seu tempo final pelo incidente com Albon, e o piloto tenta desesperadamente abrir vantagem. Leclerc está tirando leite de pedra para tentar, no tempo, o segundo lugar de Lewis Hamilton. Sérgio Perez também recebe uma punição de 5 segundos por ultrapassar a velocidade máxima no pit e começa uma disputa com Norris, chegando a dar uma fechada no prodígio da McLaren, que consegue a ultrapassagem.

Toque com Hamilton causa rodada do #23 da RBR. Logo depois vem o abandono. Foto: Twitter F1

Enquanto isso a TV mostra a Red Bull de Albon abandonando, o que se torna um lamento muito grande para uma Red Bull que tinha altas expectativas nesse início de temporada. Logo depois, Kvyat sofre estouro de pneu no final da reta e também abandona.

A última volta mostra Lewis Hamilton desesperado em abrir vantagem para agora Lando Norris, que vinha em quarto, tentando manter pelo menos a terceira posição no pódio, já que seria impossível abrir uma diferença para Leclerc, que conseguira lhe tirar o segundo posto. Valtteri Bottas cruza a linha de chegada para confirmar a grande fase que vive a Mercedes e é coroado com sua oitava vitória. Porém Norris foi genial: o garoto de 20 anos fez a melhor volta da prova no último giro e tirou o terceiro lugar do inglês da Mercedes, dando um pódio muito festejado para a equipe McLaren, que vive dificuldades financeiras nos últimos meses.

Novo pódio, novos tempos! O pódio do GP da Áustria 2020. Foto: Motorsport Images

Destaque também para a segundo posição conquistada por Charles Leclerc, que estava no lugar certo na hora certa. Conseguiu levar o errante carro rossonero a um improvável segundo lugar, muito mais pelas circunstâncias do que pela qualidade do carro. 

Opinião Lorenzo Francez

O retorno da Fórmula 1, trouxe emoção e competitividade. Vimos a Mercedes dominante como esperávamos e também notamos que outras equipes estão no páreo para disputar quem será a 2º e 3º força. A Red Bull vinha muito bem, mas seus carros tiveram problemas e não completaram a prova. A Ferrari não está com o carro totalmente desenvolvido. McLaren e Racing Point mostraram nesse GP que podem dar trabalho. Uma corrida vencida pela Mercedes, mas que devido as bandeiras amarelas e as várias quebras, teve emoção até a última volta, com Leclerc terminando em segundo e Lando Norris em terceiro.

Opinião Francisco Brasil

Mercedes continua mandando na F1, isso está claro. Mas a contínua ascensão da McLaren foi de encher os olhos, subindo mais um degrau e lutando para ser a terceira força da categoria. Terceira pois a Red Bull teve problemas pontuais, mas ainda está acima.

De um lado na garagem da Ferrari, Leclerc fez milagre (ajudado pelas circunstâncias) com um carro pior que do ano passado, enquanto Vettel continua errando. O monegasco trabalhou bem para se validar a aposta da Scuderia.

Vimos que a briga não será apenas pela quarta posição, mas sim pela terceira envolvendo Ferrari, McLaren e Racing Point. Mas não vamos esquecer da Renault, que corre por fora.

Sim, a Mercedes ainda tem o melhor conjunto, mas seu motor apresentou problemas na Racing Point e Williams, o que coloca uma pulga atrás da orelha de Toto Wolff e pode criar uma boa disputa (finalmente) na parte da frente do pelotão.

Opinião Renato Moraes

Depois de meses de espera e tantos obstáculos que surgiram enfim a temporada de Formula 1 se iniciou. A surpresa ficou por conta de uma Mercedes que lembrou o poder e o dominio de 2014, onde chegava a ser 1 segundo mais rapida por volta; uma Ferrari em péssima forma e ainda uma Red Bull que, por conta de tudo o que esperavam, decepcionou. A corrida foi agitada sim, mas o fato de estarmos sedentos por uma corrida ao vivo a tornou de certa forma melhor do que ela foi.

O fato é que a entrada do segundo safety-car e a punição a Hamilton tornou o final da prova emocionante demais! Esperamos agora que a SPEC 2 de um potente motor Honda e as atualizações aerodinamicas da Ferrari tenham efeito em breve, senão 2020 será um passeio da Mercedes.

O pódio da Ferrari no final foi um falso-positivo para um carro errático, com sérios problemas! Como os carros desse ano serão os mesmos de 2021 por conta da pandemia, a equipe de Maranello terá dias sombrios pela frente! Diferente da McLaren, que enfim vê um carro com potência que será a base para o próximo ano, onde contará com um motor Mercedes e uma dupla brilhante!

Ah! A Racing Point precisa de um piloto de calibre, Stroll não vai ajudar em nada. Talvez a disponibilidade de Alonso e Vettel precisa ser muito estudada por eles!

Opinião Alex Leonello

O domínio da equipe Mercedes, ao contrário do desejo de muitos, não chegou ao fim, contudo, pelo menos nesta prova, o protagonista da história foi Bottas, que conquistou a oitava vitória de sua carreira na principal categoria do automobilismo mundial.

Depois de muito tempo sem ver acesa a luz verde de largada, a prova, que tinha tudo para ser pouco competitiva, mas ganhou um tom bem especial com as três intervenções do safety car que, por sua vez, aproximava os competidores e dava a chance dos fãs de presenciarem belas disputas e divisões de curvas que levam ao delírio de todos os amantes do automobilismo.

Muitos abandonos e quebras deram um ar diferenciado, com destaque para Kimi Raikkonen, que protagonizou a terceira intervenção do carro madrinha depois de uma bela salvada que se sucedeu a perda integral de sua roda dianteira direita.

Mesmo discordando da punição aplicada a Hamilton, por entender que o toque ocorrido na pista teria sido um mero incidente de corrida, vejo que isso deu um ar ainda mais diferenciado a prova, com uma bela chegada de Leclerc na segunda posição e, ainda, a redenção da McLaren, com Lando Norris completando o pódio.

Muito bom.

Opinião Marcos Amaral

Enfim a F1 voltou, e podemos dizer em grande estilo. Uma corrida onde parecia que íamos ter um domínio total das Mercedes, fazendo a dobradinha no pódio, mas as bandeiras amarelas e a entrada do safety car por duas vezes, mudaram a cara da corrida e trouxeram bastante emoção.

Lewis Hamilton não teve seu fim de semana perfeito. Na classificação sairia em segundo, mas levou uma punição por passar em alta velocidade pela bandeira amarela causada por seu companheiro, Valtteri Bottas. Na corrida vinha na segunda posição e também foi punido, devido a um toque com Alexander Albon, o que resultou na perda de 5 segundos. 

Destaque do dia vai para Lando Norris. Esse menino de 20 anos vem fazendo boas corridas – e para a McLaren que passou por maus bocados tempos atrás, mostrando que ainda é uma equipe que é grande, fazendo a diferença dentre as equipes do meio. 

Norris fez uma prova impecável, sem cometer erros, perdeu duas posições, pois com a troca para pneus duros, seu carro perdeu um pouco de performance, mas depois que trocou os pneus para os médios, já brigou com Perez e conquistou a quarta posição e terminou na terceira, subindo ao pódio pela primeira vez. 

Albon vinha muito bem, tirando a diferença para as Mercedes e fazendo uma corrida bem regular em busca da segunda posição, mas ele viu o filme de Interlagos se repetir, e por coincidência, em uma curva para a direita, na mesma posição, brigando pelo segundo lugar, que acabou com um toque. Uma pena, pois é mais um jovem piloto que mostrou para que veio.

Agora Vettel, sendo Vettel!! O que será que está acontecendo com aquele piloto fantástico, com 4 títulos mundiais? Os últimos anos só vem fazendo besteiras, sendo afoito nas suas manobras, tanto é que está desempregado. Será que vai apareceu uma vaga em alguma outra equipe? Acho  dificil.

Falando em Ferrari, temos que aplaudir Charles Leclerc, que fez uma corrida de recuperação com um carro extremamente instável, principalmente quando retoma a aceleração, como vimos por várias vezes. Mas o talento do Monegasco falou alto e foi para o pódio.

A HAAS começou com o pé esquerdo, com problemas de freio em seus carros, tendo ambos abandonando.

Fato curioso e muito perigoso, foi com Kimi Raikkonen, que teve seu pneu dianteiro direito se soltando e acabando com sua corrida.

Agora vamos para a corrida dois semana que vem e veremos o que acontece. Esperamos que seja uma ótima corrida.

E já temos Fórmula 1 no próximo final de semana com o GP da Estíria no mesmo Red Bull Ring. Até lá!

Classificação final do GP da Áustria 2020. Foto: Twitter F1

Colaboradores Planeta Velocidade

Colaboradores Planeta Velocidade

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais