Escute a rádio Planeta Velocidade!

NASCAR CUP SERIES: LARSON DOMINA, MAS É SURPREENDIDO POR BLANEY QUE VENCE EM ATLANTA

22 de março de 2021

j

Francisco Brasil

Laregada em Atlanta
Photo by Sean Gardner/Getty Images

Piloto da Hendrick dominou a prova inteira, mas Ryan Blaney atacou no fim para vencer e salvar a Penske de um dia horroroso.

A sexta etapa da Cup Series levou os pilotos para a lixa, opa, pista de Atlanta. E cada vez mais a vitória é importante, visto que nas cinco provas anteriores tivemos 5 vencedores diferentes.

A pole ficou com Denny Hamlin da Gibbs, enquanto que o atual campeão Chase Elliott foi punido por seu carro não passar na inspeção por duas vezes. O piloto que corria em casa (ele é natural do estado da Geórgia) foi para o fim do pelotão.

Stage 1 – 105 voltas

Kyle Larson
Photo by Sean Gardner/Getty Images

Hamlin manteve a ponta na largada, com Logano e Kevin Harvick lutando pelo segundo lugar, sendo que o piloto do #4 leva a melhor. Logano, por sua vez, perde rendimento e posições uma após a outra.

Quem começa a mostrar força é  a equipe Hendrick com Kyle Larson, que já assume o segundo lugar, e Elliott que vinha se recuperando. Ao mesmo tempo, na volta 11, Tyler Reddick raspa no muro e tem que fazer uma parada não programada, mas sem gerar intervenção.

Na volta 25 foi acionada a amarela de competição, onde os pilotos aproveitam para parar. Larson se mantém à frente da confusão na saída do pit, que contou com leve toque entre Truex e William Byron, além de punições para Corey LaJoie e Rick Stenhouse Jr.

Kyle Larson
(Photo by Kevin C. Cox/Getty Images)

E quando os carros estavam alinhados para a relargada, Harvick tem um pneu furado e puxa para os boxes pouco antes da verde ser agitada na volta 31.

A briga fica entre Hamlin e Larson, com vantagem para o piloto do #5. Quem vem junto é Ryan Blaney que também supera o #11.

Harvick consegue retornar a pista antes de levar uma volta, mas extremamente perto dos líderes. Ele aguenta até o giro 64 quando começa uma rodada de paradas sob bandeira verde.

Mas após o ciclo, na volta 74, Harvick sucumbe e perde uma volta para Larson. O piloto do #4 disse no rádio que “esse é o pior monte de lixo que já andei em Atlanta”.

E sem ameaça, Larson fatura o segmento 1, seguido por Kyle Busch (que apareceu no fim do estágio), Blaney, Kurt Busch e Hamlin.

Stage 2 – 105 voltas

Kyle Larson
Photo by Sean Gardner/Getty Images

Novo ciclo de paradas e novamente Larson sai em primeiro, ao passo que Hamlin perde 4 posições. A punição ficou por conta de Ross Chastain por um pneu descontrolado.

Relargada na volta 113 com larson e Kyle Busch na primeira fila, mas o piloto do #18 destraciona, cria o “efeito sanfona” e perde tempo, além de causar o toque de Hamlin que levou Kurt Busch pro muro e chamou nova cautela. Sem condições de continuar, Kurt diz no rádio: “Hamlin arruinou minha corrida!”. Outro que foi afetado foi Elliott que teve danos na dianteira, o que afetou seu desempenho.

Kyle Larson
(Photo by Kevin C. Cox/Getty Images)

O segmento começa mesmo na volta 119 com a disputa entre Larson e Blaney, que chega a assumir o primeiro lugar, mas leva o troco na sequência. A surpresa nesse momento é Matt DiBenedetto na terceira posição.

Mais atrás Truex sobe e fecha o caminho de Brad Keselowski, onde o #2 acaba acertando com força a traseira do #19. Isso afeta o desempenho de Brad que despenca no grid.

Larson domina novamente até a volta 159, onde um novo giro de paradas é iniciado sob bandeira verde. Ao final, o carro #5 mantém a dianteira, 5 segundos à frente de seu companheiro Alex Bowman, segundo colocado.

Quem tentou fazer diferente foi Keselowski, esperando uma amarela que não veio. O piloto da Penske chega a recuperar a volta perdida, mas o péssimo rendimento aliado aos pneus gastos o levou para o Pit, ficando com três giros de atraso.

E com apenas 16 carros na volta do líder, Larson vence também o segundo estágio. Blaney, Bowman, Kyle Busch e William Byron fecham o top 5.

Stage final – 115 voltas

Chase Elliott
Photo by Kevin C. Cox | Getty Images

O intervalo de segmento gera nova rodada de paradas e Larson sai na frente de Blaney por meio spoiler, mantendo a primeira posição, enquanto Keselowski segue cheio de problemas, num dia péssimo para três dos quatro carros da Penske, já que Logano só recuperou a volta por estar em posição de luck dog e Austin Cindric fazia uma prova discreta, sempre acima do top 20.

A verde é agitada no giro 220 com Larson em primeiro, mas apenas 2 voltas depois a amarela retorna chamada por Elliott que tem seu motor estourado. Fim de prova para o atual campeão.

Mesmo com um intervalo pequeno, os pilotos voltam para os pits, já que a pista acaba com pneus. Dessa vez Blaney foi melhor e sai na frente e pra variar mais uma punição, dessa vez foi Kyle Busch que excedeu o limite de velocidade nos boxes.

Ryan Blaney
Photo by Kevin C. Cox/Getty Images

Nova relargada na volta 225, agora com Blaney na dianteira, seguido de Larson e Hamlin. O piloto da Penske até segura bem, mas restando 89 para o fim é superado por Larson. Blaney aproveita isso para usar o vácuo e limpar um detrito que estava preso na grade de seu carro.

Larson começa a abrir até que, restando 59 giros pro fim, Truex abre nova janela de paradas. Larson e Blaney param juntos 3 voltas depois, no momento que Anthony Alfredo errou no Pit, roda e quase acerta os mecânicos e o carro de Aric Almirola.

Larson ampliou a diferença e estava numa posição confortável, só que a NASCAR tem a premissa de só terminar quando a quadriculada é agitada.

Ryan Blaney
Photo by Kevin C. Cox/Getty Images

E aí que veio a surpresa: Blaney começa a tirar a diferença e, quando faltava apenas 10 voltas, cola em Larson que aparentava ter desgastado demais os pneus, pois não conseguiu passar por Joey Logano, retardatário àquela altura. Blaney aproveitou e assumiu a primeira posição num momento chave, enquanto Larson no calor do momento se limitou a dizer no rádio “eu odeio Joey Logano”.

E assim Ryan Blaney cruza a linha de chegada em primeiro, com Kyle Larson na segunda posição. Alex Bowman, Denny Hamlin e Kyle Busch fecham os cinco primeiros.

Essa é a quarta vez que Larson domina a prova e perde no estágio final, principalmente em pistas de 1,5 milhas como Atlanta. Isso gerou o apelido entre os fãs brasileiros de “Larson da Gama”. O lado bom é que o piloto já está classificado para os playoffs com uma vitória e é o segundo em pontos no campeonato.

E semana que vem tem a prova na pista de terra de Bristol, algo que não é visto na categoria principal da NASCAR desde a década de 60. Um desafio sem igual para esses pilotos.

Francisco Brasil

Francisco Brasil

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais