Escute a rádio Planeta Velocidade!

Paulista de Velocidade: Equipe de Resgate, os anjos da guarda dos pilotos

8 de junho de 2021

j

Marcos Amaral

Neste último final de semana, foi disputada a segunda etapa do Paulista de Velocidade, no autódromo de Interlagos, com diversas categorias competindo e a equipe de resgate efetiva do evento, teve muito trabalho.

O resgate é bastante importante para qualquer competição, seja ela qual for, desde um Track Day até uma competição profissional e não foi para menos, no sábado e no domingo essa equipe trabalhou bastante.

Emerson, Franklin, Lauro, Priscilla e Rogério

Antes de entrarmos nos acontecimento, vamos falar um pouco da equipe, que é formada pelo seguintes componentes:

Gabriel – Responsável por toda a equipe;
Eloi – Fica na torre de controle no posto de comando;
João – Apoio Operacional
Franklin – Condutor Socorrista 
Rogério – Condutor Socorrista
Priscilla – Condutor e Bombeiro Socorrista 
Lauro – Bombeiro de Desencarceramento veicular
Emerson – Bombeiro de Desencarceramento veicular

Ralph – Socorrista

Como podemos ver é tudo bem organizado, já que a responsabilidade que eles têm em suas mãos é muito grande, já que estamos tratando de vidas, e em caso de um acidente, seja ele simples ou grave, a equipe tem que estar extremamente sincronizada e preparada para sua atuação.

Nesta etapa tivemos a intervenção, por diversas vezes, da equipe, vamos citar os que nos chamaram mais a atenção e o grau de violência dos acidentes e todos comentados pela Bombeiro. 

Resgato do carro da Fórmula Delta

Na Fórmula Vee, em disputa por posições no laranjinha, o piloto acabou se tocando com o outro e acabou capotando, o que obrigou a equipe entrar na pista para o socorro do piloto que nada sofreu.

Imagens da transmissão oficial

“Nesse acidente, fomos acionados com extrema urgência para o desencarceramento veicular, pois não sabíamos a atual situação do piloto. Entramos em pista mesmo em corrida até a entrada do safety car, felizmente nada aconteceu ao piloto. O Medical Car chegou, examinou o piloto e o levou para o box. Terminamos nosso trabalho em desviar o carro com cuidado pois havia muito vazamento de combustível. O deixamos na agulha e só o buscamos no final da corrida devolvendo o carro e todos os pertences do piloto.”, explicou a Bombeiro, sobre o resgate. 

Outra batida que assustou bastante, pela violência, foi na Mercedes Challenge, uma batida forte entre dois carros no S do Senna, obrigou a intervenção rápida da equipe, pois havia princípio de incêndio, já que com a pancada, houve vazamento de fluidos e necessitou o uso de extintores. Com muita cautela, foram retirados os pilotos que nada sofreram.

Imagens da transmissão oficial

“Estávamos próximo do local e já entramos imediatamente, já que é uma área de escape e não oferecia perigo a equipe, e quando chegamos já observamos que tinha fogo no carro, descemos já com os extintores, Eu particularmente já dirijo com o extintor próximo dos meus pés, justamente para não ter que desembarcar e ter que ir no porta mala da viatura e ter que pegar, isso já economiza  tempo e facilita um atendimento rápido. E realmente esse tempo economizado fez a diferença, pois realmente havia fogo e foi extinto rapidamente. Depois foi só limpar a área e liberar para o prosseguimento da corrida”, explicou novamente a bombeiro, sobre o procedimento adotado. 

Na Fórmula Delta uma batida forte, assustou quem estava acompanhando a transmissão, já que os vinham todos juntos disputando posições, um dos pilotos acabou sendo tocado, e bateu violentamente na barreira de proteção, destruindo seu carro, e mais uma vez a equipe do resgate entrou rápido para o socorro do mesmo, que saiu ileso do seu carro.

Imagens da transmissão oficial

“Neste acidente, fui o segundo carro de resgate a chegar no local, pois o acesso, teve que ser pela fazendinha e é um acesso que chegamos até um determinado ponto de depois vai até a agulha a pé. E nesta intervenção tivemos que acionar o guincho, pois havia a necessidade de remoção do carro. Como o carro perdeu duas rodas, tivemos que arrastá-lo e com isso poderia danificar o motor que estava encostado no chão.”, explicou a Bombeiro.

Outra intervenção marcante nesta etapa foi na Old Stock, uma batida muito forte no laranjinha, onde um dos Opalas rodou, ficou virado ao contrário, um piloto que vinha mais atrás não conseguiu desviar e acertou em cheio o carro parado de forma violenta. Mas com a presteza de sempre a equipe de resgate, já entrou na pista com segurança e foi efetuar o socorro dos pilotos, que também saíram de seus carros ilesos.

Imagens da transmissão oficial

A equipe é responsável por tudo que acontece dentro da pista, em termos de segurança,  retirada de detritos, pedaços de carros, aplicação do produto para secagem de fluidos derramados pelos carros, ou seja, eles deixam a pista limpa para que a corrida possa ter sua continuidade. 

Batemos um papo com a Priscilla que já citamos acima na relação da equipe que trabalhou neste final de semana, ela nos explica que, “Só entramos na pista quando somos autorizados, já a intervenção dada no local é por nossa conta, nos informam o local e vamos até ele percorrendo pelas agulhas e saindo o mais próximo do local do acidente.”, ela ainda comenta que, “Ser o condutor é preciso conhecer bem as agulhas e saber o nome de toda a pista”. 

Emerson e Priscilla

Essas agulhas que ela comenta, são pontos na pista onde existe uma abertura na barreira de proteção, e permite que a equipe de resgate possa acessar o local do acidente, sem precisar acessar por dentro da pista e as viaturas ficam posicionadas justamente nestes pontos. Outro ponto interessante que ela cita, é saber o nome da pista, ou seja, conhecer a cada ponto, já que são nomeados, justamente para facilitar e os autódromos tem seus pontos nomeados, S do Senna, Curva do Sol, Reta oposta, Curva do Lago e assim vai, ou seja tem que ter esses pontos decorados.

Priscilla você fala que entram na pista de forma segura, quem que dá a ordem para a entrada na pista, ou você mesma entra, percebendo que não há perigo para sua equipe? 

Resgate
Eloi e Franklin

“A ordem é vinda do Elói e do diretor de provas. Por mais que queiramos seguir o impulso de entrar em pista, não entramos!  Enquanto não temos autorização, ficamos no aguardo e planejando qual melhor forma de atuação, na qual tudo na hora é inesperado.” 

Como podemos ver tudo é extremamente controlado, para que tudo saia da forma correta e segura, tanto para o pessoal do resgate como para os pilotos. Priscilla comenta que além da equipe dela, o pessoal atuava nos guinchos tem que ser extremamente treinados, “Teve uma batida entre duas Mercedes na reta oposta, houve muito vazamento de combustível e teve que ser resgatado pela plataforma. Antes de resgatar o carro é feita uma avaliação antes, pois caso a carroceria do guincho raspe no chão, gera faísca e pode ter uma explosão.”, no caso do acidente da Old Stock no qual citamos acima, a Priscilla fala justamente o princípio de incêndio, causado pelo guincho, “Foi o que aconteceu no laranjinha, o motorista do guincho, não tinha muita experiência, acabou arrastou o carro e a ponta da carroceria arrastou sobre o combustível, gerando faísca e causando um princípio de incêndio, mas como já estamos apostos, conseguimos controlar o fogo rapidamente.”. Por tanto é muito importante o treinamento que esses profissionais têm que passar, e estarem prontos para todas as possíveis situações.

Uma curiosidade que todos nossos amigos que nos acompanham, qual o tempo de resposta para um acidente?, “Tempo é algo complicado, o quanto mais rápido e ágil for melhor para o tempo da prova. Enquanto estamos atuando, a central está nos cobrando rapidez. O tempo é um sopro.”, respondeu a bombeiro.

Resgate
Gabriel e João

Vale lembrar que todos e quaisquer objetos que são recolhidos pela equipe, sejam pedaços de carros, objetos do piloto, câmeras, celulares entre outras coisas, são devolvidos na secretaria do autódromo, para que possam ser retirados pelos seus donos.

E para a equipe efetuar esses resgates, todos passam por um treinamento, mas como explica a Priscilla, “Nosso treinamento é no dia a dia das corridas, mas a cada corrida vamos aprendendo mais, a cada situação, a cada ocorrencia.”. E perguntamos como são distribuídas as funções e postos para cada um deles, ela comenta que, “Todos temos as mesmas responsabilidades, somos todos iguais profissionalmente. O que não posso fazer o outro faz e assim nos tornamos bons no que fazemos. Somos uma equipe fantástica.”, e isso realmente é comprovado vendo pelas imagens da transmissão, que a equipe é extremamente competente. 

Resgate
Emerson, Rogério e Lauro

Nesta matéria especial trouxemos um pouco de como funciona o trabalho do resgate no Autódromo de Interlagos, e como sempre prestativa a Bombeiro Priscilla nos atendeu prontamente esclarecendo dúvidas e comentando sobre o trabalho da equipe de resgate. Para seguirem a Bombeiro Priscilla nas redes sociais acesse @PriRubino do Instagram.

Marcos Amaral

Marcos Amaral

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais