Planeta História – A lenda do Endurance: Porsche 917.

8 de abril de 2020

j

Colaboradores Planeta Velocidade

O mundo do automobilismo é definitivamente místico. Lendas e histórias de grandes pilotos e máquinas invadem a nossa imaginação e nos leva ao delírio com histórias, no mínimo, fantásticas. Hoje não diferente desta visão vamos falar um pouco daquele que é considerado por muitos experts mundo afora como um dos maiores carros de corrida da história.

            A fim de diminuir a velocidade alcançada pelos carros e trazer maior competitividade ao campeonato mundial de resistência (WEC atualmente), em 1967 a FIA fez mudanças técnicas no regulamento a fim de limitar a potência dos motores a partir da temporada de 1968. Apesar de grandes protestos no meio automobilístico, uma vez que o campeonato de resistência nessa época era tão importante quanto a Fórmula 1, a federação adequou o regulamento de forma que os carros esporte teriam capacidade limitada a 5000cc (5.0 litros) e os carros protótipos teriam sua capacidade limitada a 3000 cc (3.0 litros).

Posrche 908 usado nas temporadas 1968, 1969 e 1970. Foto do site Porsche917.com.ar

Apesar de controversa, a ideia foi na prática acertada, uma vez que a competição entre os protótipos e carros esporte foi muito mais intensa, apesar da velocidade final ter diminuído consideravelmente. Nessa temporada, a Porsche correu com seu modelo 908 equipado com um motor de 3.0 litros com 8 cilindros que conquistou algumas vitórias naquele ano, mas ainda assim não foi páreo frente a uma poderosa Ferrari P4 com seu motor 4.9L. A Porsche sabia que precisaria evoluir a um novo projeto para fazer frente aos seus concorrentes mais fortes em busca do título, mas a FIA havia deliberado em 1967 que dentre as novas regras para a categoria 5000 cc, uma das determinações era que seria necessário construir 50 modelos “de rua” para que um carro fosse elegível à participar do mundial.

Entretanto, essa regra impossibilitaria qualquer tentativa da Porsche de solicitar junto a Volkswagen autorização para um novo projeto dada a necessidade de alto investimento sem nenhuma garantia de retorno. Porém em 1968, a própria FIA reviu essa regra e diminuiu para 25 a quantidade de unidades necessárias para habilitar um novo carro para o campeonato. Aproveitando essa mudança, Ferdinand Piech – alto engenheiro da montadora – convenceu a diretoria e ficou responsável por um novo projeto apelidado internamente de 917.

Apresentação do 917 no Geneva Motor Show. Foto do site 962.com

            Em março de 1969 foi apresentado ao mundo, no Geneva Motor Show, o primeiro Porsche 917. Estavam ali 8 meses de projetos, demonstrando todos os pensamentos de alta engenharia automotiva da empresa para as pistas de corrida. Porém a FIA ainda precisava realizar as vistorias para verificar o cumprimento das normas para que um carro pudesse participar de um determinado campeonato, então a montadora foi avisada que seria feita uma visita a fábrica por representantes dentro de 4 semanas a partir do lançamento do carro. Aqui inicia-se uma situação um tanto quanto curiosa: a Porsche tinha, no momento do aviso, 6 modelos prontos, mas ainda faltavam 19 para cumprir a regra que permitiria a participação do carro no campeonato. Como os mecânicos e outros especialistas da Porsche estavam envolvidos no projeto do Porsche 908 do campeonato mundial, a Porsche se viu sem pessoal adequado para cumprir o prazo e fez o impensável: chamou todo o seu pessoal administrativo que, segundo as palavras de Rico Steinemann, soubessem pelo menos apertar um parafuso, a montar uma força-tarefa para montar os carros restantes. Quando chegaram a fábrica em Stuttgart, os fiscais da FIA ficaram surpresos quando encontraram 25 modelos do 917 funcionando no estacionamento, inclusive recebendo convites dos engenheiros para pilotar qualquer um dos carros ali presentes. Depois da inspeção os carros foram desmontados e remontados por mecânicos profissionais.

Linha de montagem com profissionais diversos da fábrica de Stuttgart.. Foto do site 962.com

            O novo carro iniciou os testes já naquela mês de abril. Possuía um motor flat-12 de 4500cc e 520cv que no final de 1971 foi evoluído a mais de 600cv. A filosofia desde as pranchetas porém mostrou de difícil dominio: o carro era simplesmente incontrolável em certas situações e meses e mais meses de desenvolvimento foram necessários para que o carro se mostrasse “conduzível”, dada sua fortíssima aceleração e velocidade.

Primeiros testes mostraram um carro de dificil controle em abril de 69. Foto de Jose Luis Balados

            Dada a dificuldade dos engenheiros em encontrar uma forma de domar essa fera, os pilotos de elite da Porsche simplesmente não queriam correr com o modelo, preferindo sempre correr com os confiáveis 908 que ainda se mostrava competitivo. O carro praticamente foi desenvolvido por pilotos secundários da Porsche durante o ano até que, em agosto, quando visitaram o circuito de Zeltweg para os 1000km da Aústria, Jo Siffert se animou com muitas adequações que foram feitas no modelo e conseguiu ótima performance nos treinos e mais, conquistou a primeira vitória do modelo. Apesar da vitória, o modelo que garantiu a Porsche o título mundial daquele ano foi o modelo 908, porém a Porsche enfim começou a se entender com o modelo 917. O ano de 1970 prometia!

1000Km de SPA de 1969. A estreia do Posrche 917 #30aqui com Gerhard Mitter em 8º: foto de Porsche917.com.ar

            A Porsche decidiu focar somente na produção do modelo a partir de 1970 e se uniu a duas equipes privadas que se tornaram oficiais da marca no campeonato, deixando a preocupação com pilotos e outras questões esportivas com elas. O foco total era no desenvolvimento do carro. Acreditava-se que o 917 não estaria pronto o suficiente para liderar a marca no mundial de resistência, porém, o que se mostrou desde o inicio do ano foi um carro dominador. Das 10 corridas no ano, 7 foram vencidas pelo 917 sendo que outras 2 foram conquistadas por um modelo 908. A Ferrari investiu pesado no 512S mas só conseguiu vencer em Sebring naquele ano. O ponto alto do ano foi a primeira vitória da Porsche na geral das 24 Horas de Le Mans com o 917K #23 da equipe Porsche Salzburg com Hans Herrmann e Richard Attwood.

O Porsche 917 #23 vencedor da edição 24 Horas de Le Mans de 1970. Foto de Porsche917.com.ar
O Porsche 917/LH #3 da Martini International Racing em ação na edição 1970 de Le-Mans. Foto de Philippe Moriniere
O modelo eternizado nos filmes por Steve McQueen nas telas de cinema, o 917K da equipe de John Wyer: foto de Andrés Solerno.

            O ano de 1971 se mostrou mais dominador do que antes, onde o 917 levou 8 das 10 corridas do ano. Agora equipado com um poderoso 5L e desenvolvendo uma potência na casa dos 600cv, o carro foi responsável por um recorde que só foi quebrado em 2010: nas mãos de Gijs Van Lennep e Helmut Marko, o Porsche 917 #22 da Martini International Racing, atingiu inacreditáveis 397 voltas e percorreu a distância de 5.335,3 km a uma média de 222km/h. Em 2010 a Audi alcançou a mesma marca de 397 voltas porém ultrapassou a marca atingindo a distância de 5.410,7 km e atingindo média de 225km/h. Entretando foram necessários quase 40 anos para superar o recorde do 917.

O #22 da Martini International Racing em ação em Sarthe/71. Os recordes alcançados por este carro só foram batidos quase 40 anos depois pela Audi. Foto de loveforporsche.com

            Apesar da vitória o carro largou somente da 5ª posição, sendo que a pole ficou com os pilotos Jackie Oliver/Pedro Rodriguez que estavam a bordo de um 917/20. Esse carro era uma mistura dos modelos 917/K e 917/LH e fora feito para aproveitar ao máximo as grandes retas de Sarthe. Em um teste noturno no mês fe abril de 1971, aproveitando da aerodinâmica refinada do modelo, Jackie Oliver atingiu a impressionante marca de 396km/h de velocidade final em um trecho de reta, o que mostrava a força do modelo para a prova. Ele somente não venceu a corrida por problemas mecânicos que levaram o modelo a completar a corrida em 6º. Porém outros pilotos de outras versões do 917, facilmente ultrapassavam a marca de 380km/h durante a corrida, o que tornou o carro imbatível.

O famoso Porsche 917/20 em ação durante a corrida de 1971. Modelo atingiu a velocidade de 396km/h nos testes para a corrida. Foto de loveforporsche.com

            A FIA não contente com o que se transformou o campeonato interviu novamente nas regras. Determinou que carros com mais de 650kg não seriam permitidos e ainda, motores acima de 3000cc estariam banidos. Isso fez com que a empresa desistisse do campeonato de 1972, pois seria inviável adaptar o 917 as novas regras e o 908 teria que ser modificado em muitos pontos. Além disso, teriam que desenvolver um novo motor muito mais poderoso para compensar a diminuição de capacidade cúbica. Dessa forma a empresa não estava interessada em desenvolver um novo projeto para o mundial de Endurance e voltou o seu foco a duas possíveis categorias: Formula 1 e o campeonato Canadense-Americano de Endurance, o Can-Am.

Para 1972, o adaptado 917/10 agora em ação nas pistas da Can-Am. Foto do Motorsport.com

            Dada a liberdade técnica oferecida pelo regulamento e a boa base para iniciar os trabalhos que o 917 daria, a Porsche mudou-se para o campeonato norte-americano a partir de 1972.

            Em junho, Roger Penske com um 917/10 equipado com um turbocompressor (o que originou o apelido de turbopanzer) dominou o campeonato com 6 vitórias em 9 corridas. Para 1973 foi apresentado aquilo que é considerado o último dos monstros dos carros esporte, o 917/30, um carro que em configuração de classificação tinha nada menos que 1500cv de potência em em configuração de corrida 1200cv. O desempenho era tão superior que o Can-Am pela primeira vez fez uma forte mudança em seu regulamento justamente para barrar o uso do 917/30, um regulamento que até então era praticamente livre. Isso fez com que a Porsche não tivesse alternativa para o carro a não ser aposentá-lo e começar a desenvolver um novo modelo, o 911 Turbo. Mas isso é uma outra história…

O último dos monstros: o Porsche 917/30 da equipe Penske. Em configuração de classificação atingia a casa de 1500cv de potência. Foto de Porsche Museum

https://faspnet.com.br/porsche-917-completa-40-anos-6671/
http://obviousmag.org/archives/2007/01/o_ultimo_dos_mo.html
http://www.porsche917.com.ar/
https://presskit.porsche.de/museum/it/2019/index.html

Texto elaborado por Renato Moraes.
https://www.facebook.com/luizrjm
Instagram @luizrj
Revisão Francisco Brasil

Colaboradores Planeta Velocidade

Colaboradores Planeta Velocidade

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais