Fórmula 1 – Williams é vendida a um grupo de investimento norte-americano e projeta melhorias para as próximas temporadas

21 de agosto de 2020

j

Daniel Mendes

A Fórmula 1 sempre foi um esporte onde o dinheiro faz a diferença. Grandes investimentos para as equipes era o sinal de que o carro seria competitivo. Os anos áureos da Ferrari com Schumacher, o domínio da McLaren com Ayrton Senna. A Williams com seus títulos nos anos 80 e 90 e o mais recente caso da Mercedes de Lewis Hamilton, que se mostra dominante temporada após temporada.

Mas o destaque vai para a Williams, que de uma potente equipe passou a figurar a final do grid. A fonte do dinheiro secou? A equipe que acumula 114 vitórias na categoria, hoje briga apenas para entrar no Q2 e nada mais.

Williams sonha em voltar a ter bons desempenhos na F1 – Fonte: Google Imagens

A equipe de Sir Frank Williams entrou em uma delicada crise financeira, o que fez os investimentos serem menores do que o de outras equipes e com isso o carro ficou fora dos padrões da Williams que é uma grande equipe. Mas esse seria o fim da Williams?

Em uma tentativa de manter o futuro da equipe a longo prazo, Sir Frank Williams e a vice-diretora da equipe, Claire Williams resolveram vender a equipe.

Quem é o dono da Williams agora?

A equipe se reuniu com uma série de potencias investidores, como parte de um processo formal de venda e revisou os interesses de cada investidor nos últimos três meses, o que mostra que a Williams já pensava nisto.

Eles optaram em avançar com a empresa americana de investimento privado Dorilton Capital, cujo portfólio inclui empresas dos setores de serviços industriais, serviços de saúde e manufatura especializada.

Esta é uma compra completa. A venda é para a Williams Grand Prix Engineering Limited (WGPE), que consiste no negócio de F1 (incluindo sua impressionante coleção de carros patrimoniais e sede de alto nível em Grove), sua participação minoritária na Williams Advanced Engineering, e todos os outros ativos e passivos comerciais.

De acordo com documentos divulgados na Bolsa de Valores, o “valor empresarial” da empresa é de 152 milhões de euros e o lucro líquido em dinheiro recebido pela Companhia para as ações da WGPE, após o reembolso de todas as despesas de endividamento e transação de terceiros, são de 112 milhões de euros.

O nome Williams permanecerá na F-1?

Os investidores estão dispostos a manter o nome Williams, além disso a designação do Chassi FW também continuará.

Acredita-se que os novos investidores estão comprometidos em manter a cultura da equipe e vêem o valor de manter a marca que Sir Frank e seus colegas passaram mais de 40 anos construindo.

Alguns dos carros da Williams ao longo desses 40 anos – Fonte: Lorenzo Francez

A equipe ficará na fábrica atual?

Os novos donos podem ser americanos, mas eles dizem que não têm planos de afastar a equipe de sua base de longa data em Grove, Oxfordshire.

O presidente da Dorilton reconhece a importância de Grove. “Também reconhecemos as instalações de classe mundial em Grove e confirmamos que não há planos de realocação”, disse o presidente da Dorilton, Matthew Savage.

Quem vai comandar o time?

Dorilton usa o termo “parceria” ao discutir suas aquisições, dizendo que “trabalham ativamente com equipes de gestão existentes, reconhecendo que o sucesso dos negócios a longo prazo é resultado de um esforço de equipe.”

Eles também gostam de “continuidade”, acrescentando “fazemos parcerias com empresas que são lideradas por equipes de gestão fortes e têm uma história e cultura bem sucedidas. Acreditamos firmemente em nossas empresas que continuam com os elementos que as tornaram bem sucedidas”.

Com base nestas declarações podemos entender que, a curto prazo, a equipe continuará a ser dirigida por Claire Williams, mas a longo prazo não fica claro se o comando da equipe permanecerá.

Essa notícia significa que a equipe terá mais dinheiro para gastar em desenvolvimento?

Em resumo sim. Mas há um caminho a percorrer antes que eles tirem o talão de cheques.

Como é de esperar, agora há muita papelada e detalhes finos para resolver, mas este momento marca uma mudança significativa na direção da equipe e um novo capítulo em sua história.

Dorilton agora trabalhará com a Williams para realizar uma revisão detalhada de negócio para “determinar em quais áreas novas os investimentos devem ser direcionados”.

Crucialmente, a empresa de investimentos diz que pratica “paciência” com suas aquisições e “prefere criar valor a longo prazo, reinvestindo o fluxo de caixa”.

Isso é exatamente o que Williams precisa. Eles têm uma base sólida, mas precisam de um investimento fresco e consistente para realmente desafiar seus rivais na ponta do grid.

Esse investimento pode correr através de suas instalações, certificando-se de que os departamentos que precisam reagir às novas regras.

Com este acordo sendo feito em tempo antes do limite orçamentário para 2021 e dos novos regulamentos técnicos para 2022, a Williams tem uma oportunidade real agora de capitalizar e dar um passo à frente, longe da parte de trás do grid.

Informações de Lawrence Barretto – F1 Website

Daniel Mendes

Daniel Mendes

Período

Categorias

Siga nossas redes sociais